A mudança da caçulinha de uma família que a gente já fez de tudo nesses 10 anos, de organização do novo barco à empresa da família. Orgulho que dá, viu?

Confesso que eu tinha desanimado de escrever no blog. E embora tivesse atualizado minha listinha de clientes (fica na minha prancheta cara a cara comigo no home office) e suas histórias que gosto de contar, seguindo fielmente, vejo que cada vez mais as pessoas perdem o interesse pela leitura e buscam pelo imediato, pelos vídeos. Aliás, sou contra esse excesso e imediatismo. Acho chato, piegas, poucos eu vejo que realmente julgo legal. Nada originais, na maioria é “bom diaaaa”, “oi genteeee”, “oi pessoaaaal” aff, não aguento isso e vai ser difícil me verem fazendo vídeos nesse formato. Enfim, isso é uma outra questão que não cabe aqui agora não!

Sou colunista num outro blog, o da Ana da A Casa da Vó para os íntimos, ou A Casa Que Minha Avó Queria. Um blog muito bem conceituado de decoração e DIY. Além de ser seguidora e fã desde o tempo que esse blog inaugurou, sou apaixonada pela Ana e suas ideias, sua criatividade e a fala rasgada de quem sabe que viver não é nada fácil e que maternidade nem sempre é glamour. Amo e acompanho sua trajetória e de seguidora, virei colunista. Orgulho! Bem, se eu escrevo no blog dela, porque não seguiria com meu próprio blog? Então outro dia eu vi um comentário da própria Ana pedindo para não deixar os blogs morrerem. Aff, foi broxante! Eu cai na real de que os blogs estão com um pé na cova. Será? Bem, então enquanto eles não morrem e tiver uma única pessoa pra ler, eu vou escrever, certo? Sim, escrever, escrever, escrever, acho que amo mais do que ler. Larguei a broxação de lado, fiz o post mensal para o blog dela e tô aqui escrevendo o meu, seguindo minha listinha de clientes, parada desde outubro do ano passado. E olha que tem histórias legais hein?

Aí, abro meu e-mail agora e recebo um, lindo, cheio de amor, de uma brasileira que mora em Portugal e que ama o blog. Sinal do universo né? A quem chamo de Deus! Enfim, ela me pediu um orçamento mas fez mil elogios ao blog e daquelas fãs que curtem mesmo, aliás, chegou até mim por ele! Animei!

Então, vou contar a história da filha dessa cliente amadíssima, e eu já contei a história dela aqui, pois já organizamos diversas vezes a casa e mudanças dela, duas vezes a casa do filho, a empresa da família, o barco novo e até a casa da sobrinha já fizemos, ah e ela deu de presente de casamento para a filha de uma amiga, a organização da cozinha e louceiro, enfim, ela não nos larga nunca mais e vice versa!
A filha caçula, alçou vôo e em ordem foram voando, primeiro o mais velho que casou e foi morar na Europa, depois o do meio, que casou no meio do ano passado e nós fizemos a mudança pro AP novo, mas já tinhamos feito a transição dele da casa dos pais para um apezinho lindo alguns quarteirões dali, já contado no blog anteriormente, e agora, a mudança da caçula, que mudou para o apartamento que o irmão do meio morava antes de casar. Entenderam? O AP tava todo bonitinho, reformadinho, marcenaria nova e um closet que cabia tudo o que ela tinha. Um espetáculo pra quem tá começando a vida, saindo da casa dos pais.

Essa menina é um espetáculo! Centrada, objetiva, fala pouco e sabe o que quer. Cliente assim facilita a nossa vida, porque quando o cliente sabe exatamente o que quer, tudo fica mais rápido, melhor ainda, é quando ela não sabe e delega, nos deixando produzir, aí é correr para o abraço. Ela é assim. E agendou um dia somente com diária estendida, pra fazer o closet, a rouparia e os banheiros. Nada além. Como é a primeira experiência solo dela, tinha pouca coisa na rouparia. Muita coisa mesmo, somente no closet, mas já estava tudo desembalado pela FINK (uma viva para a melhor empresa de mudança que existe), o que encurtou nosso caminho. A cozinha e a sala ela mesma fez, sozinha, decorou e organizou do jeitinho dela com pouquíssimos palpites nossos. E a mãe dela passou o dia lá conosco, conversando enquanto trabalhávamos, matando as saudades e como sempre com lágrimas nos olhos, porque toda vez que a gente se encontra ela chora e diz que é muito grata por tudo que fazemos por ela e pela família dela. E o que dizer dessa cliente tão especial em relação à oportunidade de entrar na vida dela, dos filhos, da família, na intimidade e trazer o que fazemos de melhor, a organização? Realmente, só quem trabalha com amor entende o grau de envolvimento, e os laços que se constroem ao longo dos trabalhos, dos anos. É respeito mesmo e um certo grau de amor, afirmo.


E assim, em apenas um dia, 12 horas de trabalho, e com uma assistente, demos conta desses espaços, sem parar um minuto mas com um olhar de gratidão ao fim que enche os nossos corações e a certeza de que, no máximo daqui a dois anos, iremos voltar pra fazer outra mudança para um novo apartamento, maior e com espaço para mais um membro. Profético total! Quem sabe?

Beijos da menina do AO

Verônica Cavalcanti

Compartilhe com os amigos

De seguidora do Insta à cliente. De cliente à uma grande amiga e muitos projetos para colocar a vida dela em ordem e estarmos sempre juntas!

Ela é minha seguidora no Insta. Vc já leu um história parecida com essa ano passado.
E ela se repetiu esse ano. O Insta tá com força total!
Seguia minhas postagens, acompanhava meus textos e fotos com uma boa assiduidade. Como todos os nossos seguidores, e tenho orgulho de dizer, são orgânicos, o que significa, não foram comprados, não são robozinhos, eles permanecem e participam ativamente de cada publicação.
Aí, depois de estudar muito a página do Ateliê Ordenar, ela ganhou coragem e me ligou para fazer um orçamento para reestruturar sua casa. Falamos no telefone e fui lá. Ela não estava, só a empregada, mas me implorou muito pra esperar ela chegar pois queria me conhecer pessoalmente já que eu era uma referência desse mercado para ela. Orgulho! E ela com todas as letras me disse “me espera por favor, sou sua fã”. Orgulho 2! Como dizer não? Fiquei e conheci uma pessoa ímpar, sim, eu sou repetitiva, porque os meus clientes são diferenciados, e eu não tenho preocupação em parecer ser outra pessoa pra eles. Fingir ser um personagem, uma pessoa fina, que fala bonito, veste roupas lindas para compor o ideal do mundo, do que é uma empresária bem sucedida. Não, para os meus clientes, eu sou o que sou, aliás, para todos eu sou o que sou. Agrade ou não. Quem me conhece sabe. E tivemos uma química imediata. Entendi suas demandas, que não eram muitas. Um apartamento lindo, super decorado, bem localizado. Um casal com duas filhotas pequenas, de 10 e 6 anos e cada uma com seus respectivos quartos fofos e nada entulhados ou esbanjando excesso de coisas. Tudo na medida. Faltava imprimir uma lógica de organização para que fosse mantida e auxiliasse na rotina da casa.

Foram 4 ou 5 dias muito intensos e divertidos, para organizar os quartos das meninas, o armário do casal e dar aquela releitura no quarto de empregada.
Ela participou do processo e quando não participava, nos dava total liberdade de decidir por ela. Isso facilita muito a nossa vida. Esses dias na casa dela nos aproximou ainda mais, acho que somos irmãs de outra encarnação. Pensamos muito iguais em várias questões, sem contar o respeito imenso que rola entre a gente. Pura felicidade!

Cada menina no seu quarto, com poucos brinquedos e uma decoração sob medida. Os armários eram do apartamento e tivemos que fazer algumas adaptações para acomodar as roupinhas e acessórios delas. Usamos colméias e substituimos cabides para ganhar espaço e dar mais independência às meninas.

O quarto das meninas tinham umas coisas lindinhas que só uma mãe antenada poderia providenciar. Uma caixa de acrílico para expor os bonequinhos da Disney que obviamente, euzinha que tenho TOC, tive que reorganizar com os bonecos agrupados por afinidades, do tipo, príncipe com a princesa correspondente, personagens do mesmo filme juntos e por aí vai. Santa insanidade!

O armário do casal, ainda tinha um bom espaço superior mas o armário era recortado porque o apartamento é todo recortado. Muito engraçado isso mas complicado operacionalmente. Quando se precisa otimizar espaço, o armário recortado faz com que tenhamos que operar milagres para fazer caber as coisas. Uma loucura!

O quarto de empregada era pouca coisa, e uma assistente sozinha deu conta. Enquanto isso eu fechava com ela mais um segundo projeto seguido ao da residência, de organização de 5 mil fotos de família sendo que, parte desse projeto seria o presente de natal dos irmãos. Então, já saí de lá carregada de fotos e o resto ela fez o delivery. Muita coisa mesmo, e uma história linda de vida, de pai e mãe e muitos antepassados para contar e resumir em poucos álbuns. Mas isso é uma outra história, depois eu conto num outro post, porque tenho que ir lá colocar a mão na massa e fazer esse presente de natal acontecer lindamente para esses dois irmãos que tem uma jóia preciosa como irmã! Certo Pat?

Até a próxima gente minha!
Beijos da menina do AO

Verônica Cavalcanti

Compartilhe com os amigos

Uma mudança que tinha tudo pra ser catastrófica. Salvamos o que pudemos e só Deus sabe como! Mas concluída com sucesso, sofrimento e suor, muito suor!

Depois de uma sequência de seis mudanças seguidas, e uma lista enorme de postagem, rolou finalmente um final de semana inteirinho pra colocar a vida, a saúde, a casa e o blog em dia! Lá vamos nós!

Eles são marido e mulher, sócios numa empresa próspera de arquitetura. Uma empresa especializada em trabalhos de grande escala como galpões, supermercados etc. Obviamente que também fazem residências, e foi através de uma indicação deles para organizar a casa de um cliente, que nos conhecemos. Foi um projeto muuuuito legal, um quarto de menino que foi uma transição de garoto pra adolescente e lembro que além de arte de rua no quarto ela colocou um saco de box, aff, enlouqueci, queria muito um pra mim. Socar aquilo até cansar quando tivesse irritada. Aliás, recurso maravilhoso para quartos não somente de adolescentes mas para pessoas pilhadas como eu, né não?

Depois desse trabalho, fizemos a organização do escritório de arquitetura deles.
Depois, a casa. Um AP que exigiu muito porque era muito pequeno e tinha muita coisa para organizar.
Passaram-se 5 anos e eles voltaram com força total este ano. De cara, queriam a mudança deles. Estavam saindo de um AP muito bom em Ipanema com grande espaço de armazenamento, e indo para uma cobertura no Leblon, muuuuito maior em espaço físico mas com um potencial de armazenamento menor do que o AP anterior, julgando a quantidade de coisas que eles tinham. Fiquei preocupada de cara!

Confesso que não foi um trabalho empolgante pra mim. Sim, não é porque eu amo o que faço que todos os trabalhos são perfeitos e excepcionais. Nananinanão! O trabalho foi complicado, eles trabalham muuuuito então delegaram tudo pra gente, tudo devidamente contratado, mas houve pouco briefing por falta de tempo e sobrou muita confusão. Eles são uns queridos, calmos até demais, mas pecaram na contratação de uma mudança muito ruim, muuuuito ruim mesmo. E quando a empresa de mudança é ruim, nosso trabalho é dobrado. Fato! Má vontade, pouco material, nenhuma estrutura por parte deles e tivemos que rebolar para dar conta do recado. Temos pelo menos 20 anos de experiência em mudanças mas não temos como prever certas coisas. Eles pediram indicação de empresa de mudança, passamos as que estamos acostumadas a trabalhar. Quando chegamos no dia D, era uma que nunca tinha ouvido falar e aí, o estrago já estava feito. Enfim…

Com tudo dentro do AP que tinha bastante espaço pra circular, apesar de ter um fim de obra acontecendo aiiiinda, algumas caixas no lugar e uma equipe de três pessoas, fomos dançando conforme a música.

Se tem uma outra coisa que me incomoda profundamente é o cliente que marca a organização, junto com a instalação da NET, junto com o fim da obra, junto com a faxina, junto com a colocação do papel de parede, da marcenaria, aff meu Deus! Ninguém consegue finalizar nada! Todo mundo bate cabeça! E assim se deu essa mudança programada para durar 7 dias com a pré, e foi à risca! Mas muita ralação, dor de cabeça e um final que não foi o meu esperado mas que não foi desagradável. Todo meu escopo foi cumprido mas ficaram caixas pra trás, de decoração, eletrônicos, fios, cabos e demais objetos que eles tinham que fazer triagem ou providenciar móveis. Também, quando eles finalmente tiveram tempo para tirar algumas dúvidas que tivemos e dar uma melhor brifada em tudo, já era tarde. No final das contas, eles mesmos tiveram que fazer as mudanças para ficar de acordo com o que planejaram. Faz parte. Eles não ficaram chateados, mas eu sempre fico porque mudança perfeita pra mim é quando não fica nada pra trás, nada mesmo! Tanto não ficaram que depois desse projeto, organizamos o escritório deles no Leblon. Que fica pra um próximo post.

A gente foi fazendo o que era possível.
Numa mudança meu objetivo sempre é trabalhar dois ou mais espaços simultâneos com a equipe que tenho. Neste caso, rolou a cozinha e o quarto das crianças e uma outra pessoa só abrindo caixas e direcionando para o lugar certo, pois a empresa de mudança jogou em qq lugar as caixas, não esperou a gente ir junto. Então foi um Deus nos acuda!

Tive que rebolar pra fazer caber tudo na cozinha, eram aproximadamente 40 caixas só desse espaço. Mas a despensa teve que ir para um quarto reversível virado para a cozinha e para o corredor e que na verdade, a cliente já tinha outros planos pra ele, mas num teve jeito, tive que usá-lo como apoio.

O quarto das crianças, ficou vinculado à chegada das camas pois uma delas era baú e precisaríamos desse espaço para guardar coisas. O armário comportou todas as roupinhas deles mas a cama que era apoio, só chegou mesmo na véspera da gente finalizar a mudança. Ao menos ela planejou uma viagem de férias para as crianças. Eles não estavam lá o que já é muuuuita coisa.

A sala, foi por minha conta. Uma ajudante abriu todas as caixas pra mim enquanto eu finalizava a cozinha, mas a missão de separar os livros e montar toda a estante foi minha, somente minha. Também sem nenhuma orientação por parte deles. Fui no feeling total porque com eles sempre em reuniões, os feedbacks via whatsaap demoravam horas e horas e eu não poderia ficar parada esperando. Segue o baile!
Ah, os louceiros depois de montados e com todas as louças acomodadas dentro, a cliente decidiu mudar eles de lugar. Também segue o baile!

Enquanto isso a organização dos armários do casal acontecia. Armários da Tok Stok dificilmente comportam o volume que veio de um closet, então podemos imaginar o milagre que foi feito né? O banheiro do casal ainda estava finalizando acabamentos, e um pequeno home office que ia existir no quarto, ainda não tinha sinal de vida. A mesinha de cabeceira, se fosse colocada no espaço não deixava a porta do armário abrir, e por aí vai! Mas sobrevivemos! A suíte foi concluída com sucesso e suor e algumas muitas pendências que juro, não foram culpa nossa.

Restou o quarto de brinquedos, que foi uma missão minha em conjunto com a cliente puxada pela unha por mim, rs. Só precisava que ela decidisse o que não ia ficar mais naquele espaço, que ia ser doado etc. Deu certo, viu? Consegui fazer com que ela fosse objetiva e finalizasse rápido a missão. Na verdade eu já tinha feito uma triagem anterior do que eu achava, que pela faixa etária, não usava mais. Foi meio caminho andado. A montagem do espaço com um armário de roupas antigo, já existente no apartamento foi toda minha. Momento criativo no grau máximo e aproveitamento de caixas e o que mais tinha na casa para setorizar brinquedos. Bingo!

Entregamos mais uma mudança que, dentro do quadro gravíssimo de UTI que encontramos, conseguimos ressuscitar e entregar uma casa pronta com todas as nossas possibilidades. Mas outras mudanças virão por aí. A próxima? Uma mudança minimalista. Da filha de uma cliente amadíssima e elas colocaram a mão na massa, hein?

Em breve!
beijos e boa semana

Verônica Cavalcanti

Compartilhe com os amigos

Com 20 anos de estrada, começamos a chegar na segunda geração de clientes. Os filhos que eram adolescentes começaram a sair de casa e a casar. Trabalho que não se esgota e que é legado!

Ele é o filho do meio de uma cliente muito, muitíssimo querida. Ela foi minha aluna no Senac lá nos idos de 2006 ou 2007 eu acho. De lá pra cá, estabelecemos uma relação deliciosa. Amo a história de vida dela e da sua família. Diga-se de passagem, uma história linda de empreendedorismo do pai dela no início do século passado. A empresa da família existe até hj, atuante, organizadíssima e a primeira no segmento em que atuam. Adoro ouvir os conselhos dela! Enfim, dessa família eu acho que já perdi a conta de quantos trabalhos fizemos para eles: arquivos e várias manutenções, arquivos corporativos, mudanças (contando na minha cabecinha foram cinco ou seis, só desta família), fotografias, armário da sobrinha, do sobrinho, organização que eles deram de presente de casamento quando foram padrinhos, até o barco da família nos organizamos..aff…muita coisa, já me perdi. Fora que ela nos indica para tudo e todos!Uns queridos!

Então, chegamos à SEGUNDA GERAÇÃO DA FAMÍLIA! O filhote do meio casoooooou! O príncipe! E de fato ele é. Principe não só pela beleza, mas principalmente pela educação que carrega em si. Num mundo tão ruinzinho de bons valores, encontrar pessoas que valorizam a generosidade, bondade, solidariedade, amor ao próximo, respeito e além de tudo é lindo, realmente parece mito, mas existe. E o príncipe encontrou a princesa! Ela é linda como ele, generosa, querida transborda carisma. Casamento perfeito! Então, eles fizeram um test drive de alguns anos morando juntos, inclusive nós fizemos o apartamento do filho quando saiu da casa da mãe, já tinha até esquecido disso, mas o apartamento atual é uma coisa de lindo! Bem, bom gosto não falta nessa família. Tudo “novim”! Marcenaria, decoração, tudo estalando de novo e com espaço pra todo o volume. Bem verdade que algumas coisas faltaram, tipo cabides, usamos o que tinha, mas ficou pendente um titico que eles juraram de pé junto que irão trocar depois. Não dava tempo de comprar. Para as roupas dobradas, as colméias deram conta do recado e ficou um espetáculo viu?

Como eles estavam de casamento marcado para a semana seguinte de quando fomos, fizemos o que era urgente, ainda sabendo que os presentes iriam chegar e depois teríamos uma segunda etapa, totalmente sugerida por eles, inclusive. Em uma diária estendida de 12 horas, conseguimos concluir o armário dele, o closet dela, a cozinha que tinha pouquíssimos itens, o buffet da sala, o roupeiro do corredor e acomodar todas as malas no quarto de hóspede. Doze horas de pura exaustão!! Quem trabalha com isso sabe bem o que é! Crossfit perde pra vida de Organizer facinho, facinho!!!! Mas valeu viu? Concluímos um trabalho lindo, e produzimos fotos mais lindas ainda. Feliz por vê-los começando a vida lindamente e de forma organizada como deve ser, sabendo que nunca deixarão de serem nossos clientes, porque além da próxima etapa ser a organização dos presentes que ganharam, eles já agendaram a manutenção anual! Simples assim. Amor pela organização que vai de geração em geração nessa família e nós juntinhos!

O gran finale como sempre!

Em breve vai ter a história da irmã caçula do príncipe. Sim, assim que ele saiu do antigo apartamento a irmã resolveu se mudar pra lá e deixar a casa dos pais. Mais uma história linda pra contar, com todos os detalhes e minúcias que eu amo, amo dividir com que lê esse blog!

Muitos beijos, boa semana e lá vem mais história aí hein? Tem uma fila interminável com mais duas mudanças pra contar e a casa de uma fã do Instagram que fizemos recentemente. Ficou lindim!

Verônica Cavalcanti
Menina do AO

Compartilhe com os amigos

Mudança 2 – Um casal, com filhos gêmeos casal, ai como amo! Uma mudança que exigiu sabedoria e uma boa logística para não ter desperdício de tempo. Done!

Em 2013 ou 2014 organizamos a empresa desse cliente. Na verdade um lugar lindinho aqui pertinho da minha casa. Sabe aqueles lugares que vc passa na porta e não dá nada? Eu mesma já havia passado várias vezes na porta e não imaginava o que havia lá dentro. Parecia um portal minha gente. Estilo Nárnia, sabe? Um escritório de designer com uma mesa com ombrelone no meio, uma área de lazer infiltrada no meio de várias salas. Sensacional! Foi um trabalho que eu jamais esqueci e que me permitiu realizar meu sonho em matéria de organização de livros: organizá-los por cor da lombada. Saudades desse projeto viu? Foi especial.

Então, alguns bons anos depois, a mulher desse cliente me liga pedindo um orçamento. Mais que isso, pedindo pra reservar a data pois estava se mudando e o preço pouco interessava, ela queria era a tal data. Metade do caminho andado, mas ainda assim, eu precisava fazer essa avaliação in loco pra entender como seria essa mudança, que estrutura eu ia precisar levar, o que eu precisaria providenciar, etc etc etc… a rotina habitué de sempre.

Abrindo um parênteses, fico bege com quem dá orçamento por whatsaap sem sequer ver o espaço. Pior do que dar orçamento é dar consultoria via whatsaap e prometer equacionar todos os problemas do cliente sem colocar a mão na massa. Como conseguem?

Voltando…fui lá conversar, entender, entrevistar, perceber, observar, tudo o que gosto de fazer numa avaliação quando tem um projeto assim. Digo isso, sobre orçar pelo wahtsaap porque se fosse no caso dessa mudança, a profissional, se é que isso é profissional, ia se dar muito mal. A mudança era de um AP linear grandinho para uma casa de quatro andares. Vai vendo. Me deu um estalo quinze dias antes desse trabalho começar. Isso e tô falando de um estalo no meio da madrugada. Sim, porque eu fico na adrenalina até dormindo, aff, isso não é normal! Sugeri à cliente que comprasse o gerenciamento da mudança. Eu não sugeri, eu praticamente intimei ela a comprar. Faria um preço especial, mas se ela não comprasse esse serviço, estaríamos ferradas, por que sabe o que iria acontecer? O pessoal da mudança ia entrar, encaixotar o velho apartamento linear e desovar tudo sem nenhum critério na sala da casa nova, que no caso, era no primeiro andar. E os demais andares? Quem iria levar?? Quem? Quem? Adivinha? Sim, ia sobrar pra minha equipe subir e descer caixa numa casa de quatro andares. Então, o marido nem argumentou e ela nem pensou duas vezes, entenderam o motivo e bateram o martelo. Assim, fiquei mais segura e tranquila e com um bom plano de logística traçado na cabeça.

A PRÉ-MUDANÇA aconteceu da melhor forma possível. Uma empresa de mudança pequena, desconhecida e que nem era lá essas coisas, vacilou no primeiro dia, enviando somente dois ajudantes, mas compensou no segundo com quatro e um quinto no caminhão. Em algumas poucas horas e com toda orientação possível, uma assistente do AO, o dia inteiro na cola da equipe de mudança marcando todas as caixas com os números 4, 3, 2 e 1, ou seja, os quatro andares da casa, deram conta de mais da metade do apartamento. Desta forma eu não correria o risco de nenhuma caixa parar em andar errado e ter um deslocamento desnecessário.

Foi perfeito! Um dia e meio embalando e na metade do segundo dia o caminhão já saiu com tudo! Corri na frente e como era para o mesmo bairro, quando ele chegou, lá estava eu esperando com bandinha de fanfarra na porta, brincadeirinha. Sabe que para estar na minha equipe e comigo não pode ter preguiça nem corpo mole, muito menos a galera da mudança. O caminhão apontou às 14h30. Às 17h eu já havia esvaziado todo ele e a sala estava montada com os móveis, porque a cliente é das minhas e saiu rasgando as embalagens, desembalando sofás e cadeiras e às 17h já tinha até arranjo lindo na mesa de jantar.

A estratégia do PÓS MUDANÇA consistiu em manter dois rapazes transportanto as caixas direto do caminhão até o último degrau para o segundo andar. Lá tinha um rapaz esperando, bem como no último degrau do terceiro. Assim ninguém ficou quebrado ao final do dia e ainda, todos juntos auxiliaram no içamento do sofá do home office. A prova de que, quem tem equipe comprometida, tudo acontece perfeito, a bola é redondinha.

No dia seguinte foi dia de começar a montar o apartamento. Era um sábado e a cliente ainda tinha um festa junina dos filhotes na escola. Ou seja, contaríamos pouco com ela para personalizar a organização. Com uma equipe de três, nos dividimos pelos andares. Eu na cozinha com a empregada da cliente me dando dicas do que era mais utilizado ou não, e mais uma assistente me ajudando a abrir as caixas, e uma outra assistente no quarto dos gêmeos no terceiro andar, montando armários e cômodas o mais rápido e urgente possível. O quarto de empregada, ainda ficou com uma baguncinha, pois dependíamos de recursos como caixas e outros demais que tivemos a ideia durante o processo. Como eu não ia perder esse tempo providenciando as compras para a cliente no meio de um processo de organização, optei por subir para o segundo andar onde havia muito por fazer. Simmmmm, subi para a brinquedoteca, um quarto inteiriiiiiinho, de uns 25 metros quadrados com estante de cabo a rabo vaziiiiiinha! Uma marcenaria obviamente para livros, mas que nas nossas mãos, ganhou uma nova função, abrigar todos os brinquedos e potencial criativo desses gêmeos. Ai como amo! Como isso é uma tarefa para a super Verônica, lá fui eu ficar enfiada nesse espaço sozinha num sábado de chuva inteiro. Mas o que sempre faço e isso me adianta horrores, eu coloco uma assistente só pra ir nos espaços antes de mim, abrindo caixas, para facilitar a minha vida e acelerar o processo. Então, quando cheguei nesse espaço, já estava tudo no chão, todos os brinquedos e conteúdo. Perfeito!

No segundo dia da organização pós mudança, ou seja, o domingo, a cliente que havia acordado cedo, já havia mexido na organização da cozinha e feito algumas alterações. Super normal sabendo que ela estava ausente quando esse trabalho foi feito, e pra mim, quando o cliente não está junto, fazer as alterações corre por conta e risco dele, se for do desejo. Não dá pra fazer e refazer a todo momento e ao longo de todo esse processo de mudança, mas se o cliente estiver em casa e for direcionando, ótimo, isso não me incomoda e mais assertiva seremos.
Enquanto a família relaxava na sala, no primeiro andar. No terceiro, rolava a finalização do armário das crianças e o banheiro deles. E uma outra assistente, já ia abrindo as caixas do quarto do casal, simultaneamente. No segundo andar eu continuava minha missão brinquedoteca, sozinha, selecionando brinquedos, encaixando pecinhas nas caixas, nos jogos ou outro lugar pertinente. Mudança tem que ser em toque de caixa, senão é muito tempo que se perde fazendo e refazendo, porque a casa tem vida própria e não pára enquanto organizamos, a não ser que o cliente viaje e entregue a chave em nossas mão, aí sim!

No terceiro dia, só contamos com duas na equipe porque eu estava em outro cliente finalizando a cozinha que na época em que a mudança foi feita, ainda não tinha sido instalada. Mas minhas meninas deram conta lindamente do banheiro da suíte e finalização do coset, cômodas e mesinhas de cabeceira.

Mas como sempre fica uma pendência, raras são as mudanças que eu afirmo categoricamente que finalizamos tudo, portanto, o quarto andar acontecerá alguma hora já que em pleno movimento de mudança, ele teve uma infiltração e a pintura teve que ser refeita. Também, atendendo a um pedido nosso junto com a indicação do profissional, vai nascer uma marcenaria sob medida para os muitos livros da família. Muitos mesmo, não dava pra ficar pensando num paliativo, e ter que rebolar na hora de organizar. Sugeri uma marcenaria linda como eles merecem e curtem. Eles compraram a ideia. Bingo! Então, vou ficar devendo fotinha desse espaço, mas prometo que assim que ele ficar pronto, publico, até porque quem cuida do setor livros, sou eu né?

Até a próxima amorecos, porque a terceira mudança a ser postada, será cansativa, aquela feita em um dia com ralação de 12 horas de trabalho e finalização perfeita para um casal que ia casar na semana seguinte. História linda. Depois conto.

Beijos e bom finde
Verônica Cavalcanti

Compartilhe com os amigos