Resolvi voltar a escrever no blog. Não que eu tenha decidido parar, mas resolvi tirar aquele tempo sabático para cuidar da família e de novos projetos profissionais.  Necessário. Mas deixei também alguns órfãos por aqui, gente que me pede diariamente para voltar a escrever, porque curte a maneira como escrevo, curte as histórias etc etc etc. É chegada a hora. Só o Instagram não tava dando conta do tanto que gosto de escrever rs.

E aí, pintou um projeto grande, complexo, complicado que ainda rende frutos mas como escrevo aqui para todo tipo de público, acho importante falar dele para que sirva como alerta em todos os aspectos quando se fala de MUDANÇA.

Cliente antigo. Essa foi o terceiro projeto que faço para eles em específico, mas se eu for contar os projetos feitos para os pais dele, para a irmã e para a casa de Teresópolis, somamos mais de 10 projetos para toda a família. Clientes fiéis e recorrentes, e sempre com resultado mega satisfatório. Desta vez não está sendo assim. Digo, está sendo porque virou uma saga, fato!

A proposta era a compra de um macro projeto de mudança, onde todos os serviços estariam incluidos,  desde a escolha e contratação da empresa de mudança, até a transferência de endereço e titularidade das contas, instalação da fibra ótica, transferência da TV a cabo, instalação de todos os eletrônicos e acompanhamento da instalação da internet dentro do apartamento, administração de toda a equipe de mudança contratada, montagem do layout junto à arquiteta contratada, colocação das obras de artes e quadros na parede, recebimento de todos os eletrodomésticos novos com instalação e por fim, a organização. Um pacotão! Não me assustou em nada, até porque já fiz isso algumas vezes com maravilhoso resultado. Até que entendi na reunião de briefing, que o cliente estava diferente ou vivia um momento “diferente”. E quando isso acontece, da compra desse projeto em específico e o cliente estar “diferente”do que sempre foi, o ônus passa a ser nosso. Confesso que não gostei de viver isso.

Desde 26/11/2018 eu vivo para resolver questões desse projeto. Tudo foi contemplado no meu orçamento com muito lastro até. Tanto lastro que ele reclamou do preço comparado aos outros projetos que fizemos pra ele. Porém, não teve negociação, e de acordo com as minhas argumentações, ele optou por seguir em frente e nos contratar. Baixar o preço num projeto nessa escala, nem pensar e eu estaria bem pior se tivesse feito isso. Fiz o que sempre faço em todos os meus clientes, além de tudo bem ” amarrado” no orçamento, cláusulas, observações etc, teve reunião de briefing, onde ele me passou todas as demandas, além de reunião com a arquiteta e visita ao antigo e novo apartamento para planejar melhor a logística da mudança com a finalização da obra. Tudo perfeito até então. Tudo perfeito até ele dar o sinal $ para execução do projeto. Começaram então as cobranças que não estavam no meu escopo e ele sabia disso. Tipo, preencher o formulário do seguro. Isso é uma questão muuuuito séria, ainda mais com uma casa cheia de obras de arte e móveis valiosos. Acabou que isso me foi imposto, e penso que, o trabalho que ele teve de me mandar todas as notas fiscais e certificados de autenticidade para compor de forma correta o formulário, porque eu só faria se fosse desse jeito, ele mesmo teria feito. Mas como hj ele é um cliente que não conheço mais, preenchi todo o formulário, com os seguintes adendos, não preencheria preço dos vinhos, já que era a coisa mais valiosa e recomendada por ele e esse formulário não sairia pela minha caixa  de e-mail, jamais! Isso por sinal, deixou ele bem irritado, mas só pude lamentar. Era a segurança de todos nós envolvidos, inclusive a dele.

Operacionalmente tudo foi impactado pelo atraso na entrega do piso e cronograma da obra, nunca por culpa da arquiteta:

Atraso no piso – Atraso no sinteco

Atraso no sinteco – Atraso na saída da mudança

Atraso na saída da mudança – Atraso no içamento

Atraso no içamento – Atraso na entrada da mudança

Atraso na entrada da mudança – Atraso no layout, na organização e na finalização

Bem assim…

Sei bem que, cliente que contratou esse tipo de serviço não tá nem aí para os imprevistos, ele quer a casa dele pronta e dane-se! Vc que resolva, e foi o que fizemos! A organização de 250 caixas em quatro dias não tendo nenhuuuuma pendência foi quase um recorde. Tô falando de organização mesmo, com colméias, degradês, cabides iguais e todas essas firulas que compreendem o nosso universo. Entrar nesse apartamento depois de quinze dias de férias, com tudo nos seus devidos lugares, perfeito, e não fui eu quem falou isso, foi a arquiteta que elogiou absurdamente os nossos esforços juntamente com a equipe dela em fazer tudo dar certo com todos os infinitos e absurdos imprevistos que aconteceram, é quase operar um milagre. Mas esse cliente não queria saber disso. Entendo o ponto de vista dele, foram coisas graves que aconteceram, e que custaram acioná-lo algumas vezes durante uma viagem de férias para tomada de decisões. Lembrando que eu não tinha autonomia sobre dinheiro, tirando a compra de insumos para organizar, ele não me deu autonomia para negociar custos extras de mudança, por exemplo.

Imprevisto 1 – A máquina de içamento quebrou durante o procedimento e o mastro que puxa os móveis tombou e amassou o perfil de alumínio da janela e danificou o mármore do parapeito. Por sorte não quebrou o vidro. Por sorte o funcionário da empresa não voou pela janela e caiu no térreo pois a rede de segurança havia sido retirada para a subida dos móveis. Por sorte foi só um amassado e ranhuras.

Imprevisto 2 – Um lustre de cristal caríssimo que eu por felicidade, sabedoria, inteligência, competência, o que quer que seja, declarei no formulário do seguro. Mesmo tendo planejado a retirada dele cuidadosamente com a arquiteta, com o supervisor da Fink e com eletricista. Mesmo tendo desmontado e retirado um a um dos cristais, mais de 200 por sinal, e tendo sido super bem embalado com papéis de seda e plástico bolha, um filete de cristal quebrou. Um único quebrou!!!

Vcs tem noção do tamanho do aborrecimento??? Tenho uma tese sobre esse assunto: energia ruim gera energia ruim e vice versa. Ele veio com essa energia e aí, quando a coisa tem que dar errado, dá e da melhor forma possível e tudo isso é no que ele se apega. Não interessa o recorde de organização batido. Não interessa o layout perfeito, os quadros na parede o fogão funcionando, a máquina de lavar roupa também,  a TV instalada com a TV a cabo, internet na casa toda etc etc etc, tudo isso caiu por terra com um filete de cristal quebrado que será ressarcido e com uma janela danificada que também será ressarcida. Lembrando que se fosse qualquer empresa de mudança mequetrefe, o prejuízo seria meu! Certeza absoluta! Bem, o prejuízo continua sendo meu, com a chuva de e-mails recebida diariamente da Fink, do cliente, com a resolução de pendências de serviço que ele resolveu comprar de última hora como guarda móveis e não estava no meu escopo administrar. Se eu disse não? Se eu me posicionei? Tudo isso foi feito e diretamente e reprovado por ele em respostas ásperas. Se eu atendo ele de novo? Quase 100% de chance de NÃO, se é que ele irá querer algum dia novamente. Em respeito ao pai, mãe, irmã e todo relacionamento que construímos nesses 6 anos que atendo essa família eu poderia atendê-lo de novo, mas de ooooutra forma, mas lembro sempre que exitem outras profissionais no mercado, aliás, várias.

Não posso falar do cumprimento dos pagamentos das despesas extras e da segunda parcela dos nosso serviços, honradas no prazo previsto. Mas vamos aguardar o desfecho dessa história complicada mas que me trouxe outra linda que vai ser contada no próximo post. E como sempre diz minha filhota linda de 13 anos, vai tudo dar certo, porque no final sempre dá. Aguardando ansiosa o final dessa história que pra mim foi linda mas complicada.

Moral da história: tenha sempre uma boa empresa de mudança como parceira quando o cliente tiver esse perfil e essa complexidade no projeto. Se não fosse a Fink e todos seus esforços a gente não conseguiria resolver tantas questões complexas.

Beijos da menina do AO (lembrando que AO somos nós desde 2004 )

Verônica Cavalcanti

Compartilhe com os amigos